Jornalista espanhola desaparece na Colômbia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

esoanholaA agência de notícias AFP postou que o jornal El Mundo e o chefe da diplomacia espanhola indicaram nessa segunda-feira que a jornalista espanhola Salud Hernández-Mora, desaparecida no último sábado (21), no nordeste da Colômbia, estaria nas mãos do grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional (ELN, guevarista).

“A jornalista espanhola e correspondente do El Mundo na Colômbia, Salud Hernández-Mora, encontra-se sequestrada pela guerrilha”, publicou o jornal em sua edição on-line, acrescentando que ela desapareceu na região de Catatumbo (nordeste).”A zona, de difícil acesso, é controlada pelo ELN”, acrescentou.

A publicação acrescentou que, em Bruxelas, o ministro das Relações Exteriores, José Manuel García Margallo, confirmou que “tudo leva a crer que pode ser o ELN”, ao chegar a uma reunião de chefes da diplomacia europeia.

Hernández, colunista do jornal colombiano El Tiempo e colaboradora do El Mundo, foi vista pela última vez por volta do meio-dia de sábado no município de El Tarra, informou no domingo o ministério da Defesa colombiano em um comunicado.

O El Mundo falou com a freira Amanda Bedoya, da Igreja de Nossa Senhora da Assunção em El Tarra, que disse ter visto a jornalista no sábado.

“Estive com Salud falando de diversos temas. Entrevistou-me, falamos agradavelmente e ao meio-dia de sábado foi pegar um ônibus em direção a Cúcuta”, disse a religiosa ao jornal espanhol.

A jornalista, que vive há muito tempo no país sul-americano e que também tem nacionalidade colombiana, fazia uma reportagem na região sobre uma greve de moradores para protestar pelo desaparecimento de duas crianças, que já foram localizadas, segundo o El Mundo.

Hernández escreveu a respeito em sua conta do Twitter pela última vez no sábado, sobre a manifestação em El Tarra.
“Ordenei à Força Pública prioridade e dedicação para estabelecer o paradeiro da jornalista @saludhernandezm”, publicou, também no Twitter, o presidente Juan Manuel Santos.

García-Margallo disse ter falado com a embaixada espanhola em Bogotá e explicou que “todas as medidas (para encontrar a jornalista) estão sendo tomadas”.

“De fato, foi deslocada uma unidade que se chama Gaula, que é especialista em sequestros, para tentar averiguar o destino e sobretudo quem é o autor do sequestro e se fica confirmado que é um sequestro”, explicou o chefe da diplomacia espanhola.

Na zona onde a jornalista desapareceu atuam, além do ELN, as guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército Popular de Libertação, embora nenhum grupo tenha reivindicado o sequestro.