Jornalista que denunciou ameaças de morte é assassinada

jornalista assassinada no mexico
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Jornalista que denunciou ameaças de morte é assassinada

Jornalista que denunciou ameaças de morte é assassinada em plena luz do dia em Veracruz, no México

A jornalista María Elena Ferral foi baleada oito vezes enquanto estava no centro de Papantla, no estado de Veracruz, por volta das 14h de 30 de março, de acordo com o Diario de Xalapa, jornal para o qual ela trabalhava como correspondente. Ela morreu seis horas depois.

Maria Elena Ferral (Facebook)

A jornalista, que também era diretora do site de notícias Quinto Poder, relatou à Comissão Estadual de Atenção e Proteção a Jornalistas que havia recebido ameaças, segundo o Diário de Xalapa.

O La Jornada publicou que, em 2016, Ferral registrou uma queixa criminal e disse que havia recebido ameaças de morte de um político local por causa de seu trabalho.

Seus familiares disseram que ela foi ameaçada “por todos os lados”, informou o Diário de Xalapa.

O procurador-geral de Veracruz divulgou uma declaração na qual prometeu encontrar os responsáveis e expressou solidariedade aos jornalistas, dizendo que Ferral “procurava dar voz a grupos vulneráveis e fazer jornalismo dedicado a causas sociais, apontar a injustiça e destacar igualmente as coisas boas de Veracruz.

O Escritório Especial em Crimes Eleitorais e Crimes Contra a Liberdade de Expressão do Ministério Público está investigando o caso, segundo o Diário de Xalapa.

Com Ferral, já são 28 jornalistas mortos no estado de Veracruz desde 2000, segundo informação concedida ao Centro Knight pela Artigo19 México. É o estado mais mortal para jornalistas no país, de acordo com a organização.