Jornalista que fugiu de El Salvador está temporariamente a salvo da deportação dos EUA, mas permanece detido no ICE

Por Teresa Mioli/AM

Um jornalista salvadorenho que está detido nos EUA há quase oito meses recebeu uma suspensão temporária de remoção enquanto um tribunal de Atlanta considera seu recurso.

Manuel Durán (Facebook)

O Tribunal de Apelações do Décimo Primeiro Circuito dos EUA concedeu uma moção de emergência ao jornalista Manuel Durán Ortega para suspender sua deportação, de acordo com documentos judiciais. A corte também concedeu um pedido feito pela Sociedade Americana de Editores de Notícias e outras organizações para serem amicus curiae no processo.

“Estamos gratos e satisfeitos pelo fato de a Corte ter agido para suspender a deportação do senhor Duran Ortega para que seu recurso seja ouvido plenamente. Como jornalista que dedicou sua carreira a reportar as más condutas do governo, Duran Ortega enfrenta sérios riscos se for deportado para El Salvador”, disse Kristi Graunke, advogada sênior do Southern Poverty Law Center (SPLC), organização que representa Durán Ortega junto com a Latino Memphis.

Durán Ortega, proprietário e jornalista do site de notícias em espanhol Memphis Noticias, no Tennessee, fugiu de El Salvador em 2006 devido a ameaças de morte, segundo a Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Ele foi preso em 3 de abril de 2018 enquanto cobria um protesto de imigração em Memphis e foi acusado de conduta desordeira e obstrução de uma rodovia, conforme relatado pela mídia local.

Essas acusações foram retiradas, mas ele foi detido pela Agência de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE) em 5 de abril.

O SPLC argumenta que Durán Ortega foi detido pela ICE “em retaliação por relatar questões controversas relacionadas à aplicação da lei no Tennessee”.

“Alegações de que sua prisão foi de natureza retaliativa são patentemente falsas”, disse Bryan D. Cox, porta-voz do ICE, ao Centro Knight.

“Ele foi preso criminalmente pela polícia local, ele está nos EUA em violação da lei federal e está sujeito a uma ordem judicial pendente de remoção emitida por um juiz federal de imigração”, disse Cox.

O SPLC também disse que Durán Ortega foi “preso ilegalmente pela polícia de Memphis”. O Departamento de Polícia de Memphis não respondeu a um pedido de comentário.

O último desenvolvimento no caso de Durán Ortega aconteceu depois que o Conselho de Apelações de Imigração (BIA) negou a apelação do jornalista em 17 de outubro, após um tribunal de imigração de Atlanta negar uma moção para reabrir seu caso.

Em 30 de outubro, Durán Ortega solicitou ao Tribunal de Apelações do Décimo o primeiro dia de revisão de seu pedido de remoção de 2007 e fez o BIA que indeferiu seu recurso. Foi também eles solicitaram uma estadia para sua remoção.

Em 30 de outubro, Durán Ortega solicitou ao Tribunal de Apelações do Décimo Primeiro Circuito uma petição para revisão de seu mandado de remoção de 2007 e do mandado do BIA que indeferiu seu recurso. Foi quando ele também solicitou a suspensão de sua remoção.

Na decisão de 29 de novembro, a juíza Beverly B. Martin, do Tribunal de Apelações do Décimo Primeiro Circuito dos EUA, apontou para a força dos múltiplos argumentos apresentados por Durán Ortega. Entre eles estão o argumento de que o BIA cometeu um erro ao negar sua moção para reabrir o processo de imigração, indicando a alegação de que as condições mudaram substancialmente em El Salvador. Também está incluído o argumento de que a ordem de remoção in abstentia deve ser revogada, citando o caso da Suprema Corte Pereira v. Sessions. Em sua petição de emergência para revisão, Durán Ortega argumenta que sua notificação para comparecer ao tribunal (Notice to Appear, NTA) – que foi expedida pouco depois de sua chegada aos EUA em 2006 – não tinha data nem hora da audiência inicial e, portanto, não era um NTA.

Em relação a outros fatores a serem satisfeitos para a suspensão da remoção, a juíza também disse estar “consciente da probabilidade de o Sr. Duran-Ortega ser fisicamente prejudicado se for removido para El Salvador enquanto seu recurso ainda estiver pendente”.

Ela também disse que “não há circunstâncias aqui que aumentem o interesse público comum em remover o Sr. Duran-Ortega”, citando que não há registro de que ele tenha sido condenado por um crime e “nenhuma evidência de que ele abusou dos processos fornecidos a ele.”

Facebook Comments

Lile Corrêa

Jornalista, Radialista e Recordista Bi-Mundial incluso no Guinness Book