Jornalista sequestrada e torturada há 20 anos na Colômbia ganha Grande Prêmio de Liberdade de Imprensa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
Redação Portal IMPRENSA*

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) anunciou a entrega do seu Grande Prêmio de Liberdade de Imprensa à jornalista colombiana Jineth Bedoya Lima, que foi sequestrada na entrada da prisão Modelo de Bogotá, em 25 de maio de 2000, enquanto investigava a morte de 26 internos e o suposto tráfico de armas dentro da prisão

Crédito:Reprodução
Atual subeditora do jornal El Tiempo, Jineth foi torturada, espancada e abusada sexualmente durante o sequestro. Até agora, apenas três pessoas foram condenadas: Mario Jaimes Mejía, Alejandro Cárdenas Orozco e Jesús Emiro Rivera Pereira. Em 2012, a Procuradoria Geral da Colômbia declarou os horrores contra a jornalista como um crime contra a humanidade, o que impede sua prescrição.

“Esperamos que o prêmio à Jineth Bedoya honre seu comportamento diante dos perigos e injustiças a que esteve exposta por tantos anos e sirva para aumentar a conscientização sobre os riscos que muitas mulheres jornalistas sofrem”, destacou a presidente da SIP, María Elvira Domínguez, diretora do jornal El País de Cali, da Colômbia.

Em 2009, Jineth Bedoya criou a campanha “No es hora de callar” (“Não é hora de ficar em silêncio”) para incentivar mulheres vítimas de violência a denunciar. “Essa luta de quase 20 anos significou deixar parte da minha vida nela, mas também teve a recompensa de dignificar e transformar vidas através do jornalismo”, disse Jineth