Jornalistas brasileiros começam a ser incluídos em grupos prioritários de vacinação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Contabilizando números assustadores de jornalistas mortos por covid em diferentes partes do país, a imprensa brasileira começou a ser incluída nos grupos prioritários para a vacinação contra a doença.
Foi o que fez nesta segunda (5) a prefeitura de Teresina (PI). Já em Em Mato Grosso, o deputado estadual Thiago Silva (MDB) apresentou na sexta (2) projeto de lei com essa finalidade. Medidas semelhantes, em resposta ao aumento de casos de contaminações e mortes na categoria, vêm surgindo em diferentes partes do país.
Crédito: Reprodução BOL
Reprodu??o BOL
Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa incluiu jornalistas em grupo prioritário para vacinação

No Mato Grosso do Sul, o Sinjorgran (Sindicato dos jornalistas da Grande Dourados) emitiu nota nesta segunda defendendo a vacinação de profissionais de imprensa da região.

No caso de Mato Grosso, o parlamentar que criou o projeto de lei usou dados de um levantamento feito pela própria imprensa apontando que pelo menos 150 trabalhadores da comunicação do estado já testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia. Destes, 13 profissionais morreram em consequência da doença, cinco estão entubados e dezenas passam por tratamento de reabilitação e enfrentam sequelas.

Em SC, três mortes em dois dias
Face à velocidade com que se registram novas mortes de jornalistas vítimas da covid pelo país, é difíicil obter números consistentes sobre o cenário nacional.
Para se ter ideia, somente entre sexta-feira (2) e sábado (3) morreram três jornalistas de covid em Santa Catarina: Ozias Alves Júnior, editor e fundador dos jornais Em Foco; Savas Apóstolo, que trabalhou no Jornal Notícias do Dia; e Ney Padilha, um dos grandes nomes do rádio e do esporte no estado.
A Associação Catarinense de Imprensa (ACI) lamentou as mortes e reforçou a necessidade de isolamento social “até que avance o plano de vacinação”.
Segundo a organização suíça Press Emblem Campaign (PEC), que também solicita a vacinação prioritária dos profissionais da imprensa, até 16 de março deste ano mais de 900 jornalistas tinham morrido de covid-19 em 70 países. Calcula-se que mais da metade das mortes ocorreu na América Latina.
Os três países latino-americanos que lideravam o ranking de mortes de jornalistas por covid-19 são Peru (135), Brasil (113) e México (89). No Brasil os estados do Amazonas e de São Paulo tinham o maior número de mortes (14). A maioria das vítimas estava na faixa etria de 51 a 60 anos. Os homens eram maioria absoluta (91,4%).