Jornalistas são apedrejados em cobertura da seleção no Recife

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print


Na noite de 9.set.2021, ao menos cinco profissionais de imprensa foram atacados enquanto cobriam a saída da seleção brasileira de um hotel localizado no bairro de Boa Viagem, na zona sul do Recife (PE). Torcedores que também aguardavam os atletas lançaram pedras, plantas e água e proferiram xingamentos contra equipes de reportagem que, segundo eles, obstruíam a visão que teriam dos jogadores.

Por volta das 16h30, a equipe de reportagem do Globo Esporte do Recife chegou ao local para fazer a cobertura. Em entrevista à Abraji, a produtora Sarah Porto afirmou que as hostilidades começaram quando a entrada do hotel em que a seleção se hospedou se encontrava relativamente vazia. Segundo a jornalista, mais de uma vez, sua equipe teve que fazer entradas ao vivo em meio a gritos como “Globo lixo”.

Os atletas estavam no Recife para disputar a partida contra o Peru pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. Conforme os jogadores começaram a sair do hotel, a partir das 19h, a situação se agravou. De acordo com a jornalista, torcedores chegaram a gritar “sai da frente, puta”, antes de darem início aos arremessos.

Além do cinegrafista e da produtora do Globo Esporte, segundo apuração da Abraji, foram alvo dos arremessos um cinegrafista da TV Jornal, afiliada do SBT no Estado, e uma equipe do jornal Folha de Pernambuco, formada por um fotógrafo e pelo repórter esportivo William Tavares.

O repórter da Folha de Pernambuco contou que as equipes dividiam um espaço apertado reservado para a imprensa e que precisaram se posicionar em frente à torcida para registrar a saída dos jogadores. Foi quando passaram a ser atingidos por pedras, plantas e água.

Um segurança do hotel já estava segurando a grade de proteção devido ao tumulto e à aglomeração. Os ataques cessaram somente quando uma das vítimas acionou policiais que deixaram uma área mais próxima ao hotel para controlar a situação, formando uma espécie de barreira.

Sarah Porto disse ter ficado atônita com o ocorrido, inclusive com os comentários misóginos que recebeu. “Ninguém está em um escritório e chama alguém de gostosa. As pessoas não conseguem entender que estamos exercendo a nossa profissão”.

Em seu perfil no Twitter, Porto fez uma reflexão: “Imagine um dentista, um médico, um frentista, um gari, qualquer trabalhador que esteja exercendo o seu ofício ser APEDREJADO porque está na frente de um cidadão que quer ver algo que está depois da pessoa”.

A Abraji registrou 242 casos de ataques a jornalistas no país entre jan.2021 e ago.2021 – um aumento de 23,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Foto: Torcedores na saída do hotel em que a seleção brasileira se hospedou no Recife. Reprodução/TV Globo