Judiciário rasga Estatuto da ABI e tumultua eleição

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Ao longo dos seus 110 anos de existência sempre ocorreram  querelas jurídicas entre associados,  diretores, e membros dos diferentes órgãos que compõem o comando da ABI. Quase todos os litígios se dissolveram sem a intervenção do Judiciário. As divergências, em sua grande maioria, nunca extrapolavam as paredes do prédio, eram discutidas internamente para preservar a imagem da instituição. As questões mais acaloradas sempre eram submetidas à apreciação do Conselho Deliberativo,  órgão superior da administração da Casa dos Jornalistas.  Mesmo àquelas contendas que buscaram o suporte judiciário não ousaram a desafiar a soberania da Casa. Não há notícia, desde 1908, de que um diretor da ABI  tenha recorrido à justiça para obter regalias e benefícios pessoais, ao arrepio dos regramentos internos, em detrimento dos seus pares e do corpo social.

O que ocorreu recentemente merece profunda reflexão. Como pode um diretor da ABI, no exercício de uma posição respeitável, utilizar-se  à sorrelfa de expedientes escusos contra os seus próprios companheiros de Diretoria?  Quem perde ao se utilizar de métodos legal e moralmente inaceitáveis para usufruir  vantagens diante do habito de conquistá-las a qualquer preço ?  O velho Tancredo Neves, em sua sabedoria política, dizia  sempre que quando a esperteza era grande demais, comia o dono.

Através de um ato de litigância de má fé, o vice da ABI teve a petulância de induzir a erro a juíza da 41ª Vara Cível. A manobra destinava-se  a obter uma  liminar  com o objetivo de  conseguir  a relação dos associados da entidade  e  deflagrar a campanha sucessória,  antes  da formação da Comissão Eleitoral e da publicação do Edital.

No processo  movido contra a ABI  e seu presidente,  iniciado em  2 de fevereiro,  o vice alegou não ter acesso aos endereços dos membros  da comissão que preside,  o que o teria levado  a se socorrer do JUDICIÁRIO. Dava a entender que seus direitos estavam sendo  garroteados pelo arbítrio.  Na  petição inicial, sustentava  que o presidente da ABI solapava a oposição com um  comportamento  autoritário e antidemocrático.  Ao  recusar-se a fornecer a listagem do corpo social,  com os respectivos telefones, endereços eletrônicos e individuais , o presidente da Entidade  “impossibilitava a formação de chapas oposicionistas”.

Ao  protocolar  a petição, nos primeiros dias de fevereiro,  não existia nenhuma  eleição em curso.  Não havia  sequer  Comissão  Eleitoral, cuja função é fiscalizar a formação das chapas e homologá-las, como determina o Art. 5º do Regulamento Eleitoral. Só assim poderiam ser  habilitadas a  participar  do pleito marcado para  28 de abril.  Nem mesmo o  Edital de Convocação  das Eleições tinha sido  publicado pela imprensa.  A veiculação do Edital  só ocorreria no  dia 23 de março. Vinte um dias antes de conhecido o Edital, o vice-presidente da ABI  apresentava-se em juízo como vítima de inominável perfídia.

No seu arrazoado, sustentava que o Comando da Casa exibia  um comportamento incompatível com o regime democrático.    De acordo  com os queixumes do vice, a  atitude do presidente da ABI ofendia a paridade entre os candidatos ao pleito eleitoral,  ao contrariar  o  Art. 53 do Código Civil que determinava aos associados ” terem direitos iguais “. Esse muxôxo era uma falácia.

O processo contra a ABI abrigava em seu ventre algumas incongruências.  Como foi possível, por exemplo, o vice obter duas tutelas, de “urgência e de tutela“, o que fere a boa prática processual, para garantir a isonomia associativa quando  não havia nenhuma eleição em curso ? O advogado do vice, utilizou-se de dois institutos jurídicos que sequer se completam, mas assim mesmo teve seu pedido acolhido pela 41ª Vara Civil.

Na esteira dos requisitos que autorizam a concessão da tutela antecipada, o magistrado deveria avalizar a probabilidade de ter realmente acontecido o fato narrado, a obstrução dos direitos do vice, bem como a sua plausibilidade jurídica.  Não foi o que aconteceu, o que acentuou ainda mais o equívoco da decisão judicial.  A juíza não percebeu que não existia nenhuma campanha eleitoral em andamento. Sequer havia sido formada a Comissão Eleitoral  e publicado  o Edital de Convocação das Eleições, como rezam  os Artigos 5º, 6º,  7º, 19º e 20º  do Regulamento Eleitoral.

Como não existiam chapas homologadas pela Comissão Eleitoral não havia, portanto,  direitos ofendidos. O único arremedo de chapa que se encontrava em campanha, antecipando-se aos prazos do regramento da  ABI era  a do vice, que se tem reunido regularmente com seus seguidores em dependências da própria Entidade.

A concessão precoce  da listagem do corpo social  ao vice, por decisão judicial,  se insurge contra o Regulamento Eleitoral e ao próprio Estatuto da Casa, que se encontram em vigor há 15 anos.  Não podia o vice oferecer também restrições ao texto do RE, depois de se ter beneficiado das suas regras, nas duas últimas eleições. É também inaceitável que ele tenha condenado intempestivamente os diplomas que regem as eleições da instituição desde 2004.

O pacote de vontades do vice, além de rasgar os principais documentos da Entidade com anuência do Judiciário, o que jamais aconteceu em seus 110 anos de existência, ainda atropela, despreza e ignora a soberania do Conselho Deliberativo da  ABI.  Ofende também o jornalista Luís Carlos Azêdo, presidente do CD, ao se referir a ele  desrespeitosamente como  “engavetador” .

A decisão de 1ª instância, na  contramão do que recomenda  a boa prática do Direito,  deixou-se  contaminar pelas volições do vice, ansioso em deflagrar o processo eleitoral antes do prazo legal, proclamando-se publicamente como porta-voz  da oposição.  Nada justifica que sejam afrontados os valores e princípios que sempre nortearam uma instituição democrática como a ABI, cuja história se confunde com a do próprio País.

O relator do agravo deixou-se igualmente viciar pelo entendimento inconsistente  da 41ª Vara Cível. A sua decisão aprimorou ainda mais o despacho equivocado de primeira instância, esquecendo-se de que o processo eleitoral sequer havia começado. Sua Excelência faz uma interpretação  ainda mais enevoada do Art. 55 do Código Civil que prega a igualdade entre as partes. Justamente em prestígio a esse artigo, entre outros, que jamais poderia-se ignorar o texto do Regulamento Eleitoral, que põe todos em condições paritárias, valorizando o associado que a duras penas paga a mensalidade associativa.

O presidente da ABI em nenhum momento defendeu a desigualdade entre os associados, apenas exigiu que fossem respeitadas e cumpridas  as normas em vigor desde 2004.  Regras que foram  violadas pelo vice em seu próprio beneficio,  ao solicitar que a justiça obrigasse a ABI a fornecer  a listagem dos associados, antes de iniciado o prazo legal para a campanha  eleitoral.  A decisão atrapalhada do judiciário encontra-se atualmente subjudice, após o pedido de agravo interno impetrado pela ABI. Mesmo diante desse recurso, o estrago maior já está feito, como se a toga funcionasse também como  capuz.