Justiça investiga suspeitas de fake news. TSE admite dificuldade para lidar com o problema

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Vídeos com imagens de pessoas portando arma na hora do voto, com eleitores alegando ter enfrentado dificuldades para registrar o voto no candidato de sua preferência, fatos ou fake news? O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai apurar as denúncias de supostas irregularidades ocorridas no primeiro turno das eleições no Brasil. Os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) vão disputar o segundo turno.
Crédito:Valter Campanato/Agência Brasil
“Nós não encontramos, até o presente momento, nenhum indicador de que essas fake news, que viralizaram, tenham qualquer base fática ou real”, afirmou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Segundo ele, as denúncias de possibilidade de fraude no sistema eletrônico de votação e os responsáveis pelas mesmas estão sendo investigados. O ministro informou que caso haja configuração de divulgação de notícias falsas essas pessoas serão denunciadas e punidas.
O combate à propagação das fake news tornou-se uma das prioridades para o TSE admitiu a ministra Rosa Weber. Em entrevista pós-primeiro turno, a presidente do Tribunal admitiu que a entidade teve dificuldades para lidar com o problema. “Não é que o TSE nada tenha feito. Prevenir fake news, eu não conheço como poderíamos ter atuado nessa área onde temos um princípio maior da liberdade de expressão”, explicou.

A ministra admitiu ainda que o combate à propagação de notícias falsas é uma dificuldade real para o Tribunal. “O TSE tem dificuldades para enfrentar esse problema, como nós todos temos. Toda colaboração que vier, inclusive da imprensa, será extremamente bem-vinda”, acrescentou. “Essas notícias falsas se dirigem contra a credibilidade da Justiça Eleitoral e, consequentemente, se voltam contra a democracia e as instituições”, complementou.

Algumas das denúncias feitas foram esclarecidas no próprio dia da eleição. O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, por exemplo, divulgou nota oficial afirmando que as imagens divulgadas em redes sociais alegando que as urnas eletrônicas não processavam votos para determinado candidato a presidente foram resultado de equívocos de eleitores. De acordo com o TRE-MT, essas pessoas tentavam começar a votar já pela escolha de presidente, mas as urnas são programadas para seguir uma ordem pré-estabelecida de votação. No caso: deputado federal, deputado estadual, senador, senador, governador e presidente.