Justiça proíbe UOL de cobrir caso de juíza investigada por rede de lucro ilegal

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Reportagem publicada pela Folha de São Paulo nesta quinta (29) revela que uma desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou a exclusão de matéria publicada em dezembro de 2020 pelo UOL sobre uma juíza suspeita de uso de contas e empresas de parentes e familiares para ocultar recursos desviados de empresas em situação de falência no estado do Rio.
Com o título “Juíza investigada por usar família em rede de lucro ilegal com falências”, a reportagem foi assinada pelo colunista Amaury Ribeiro Jr.
Crédito: Reprodução

Além da exclusão do conteúdo, a decisão da desembargadora Maria Angélica Guimarães proibiu a publicação de novas matérias sobre o tema, sob pena de responsabilização civil e criminal.

O UOL recorreu ao STF (Supremo Tribunal Federal) no caso e a ação foi distribuída ao ministro Kassio Nunes Marques. Segundo matéria da Folha, Marques já oficiou a desembargadora responsável pela decisão a prestar esclarecimentos sobre eventual descumprimento de preceito legal que regula a liberdade de pensamento e de manifestação no país.
O caso chamou atenção por evocar um possível espírito corporativista da Justiça do Rio contra a liberdade imprensa. Leandro Demori, editor-executivo  do Intercept Brasil, criticou a decisão do TJ-RJ usando exatamente essa linha de raciocínio.
“Juiz defendendo juiz contra a liberdade de imprensa. Está se tornando um hábito. Juízes se protegem e se tornam uma casta de intocáveis contra o jornalismo. Isso precisa acabar.”