Marcelino Nunes lamenta morte do líder sindical Betão taxista

Cortejo taxista
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Marcelino Nunes lamenta morte do líder sindical Betão taxista

betao3Lile Corrêa*

O vereador Marcelino Nunes de Oliveira (PROS) manifestou seu pesar pelo falecimento do ativista sindical e taxista Roberto Carlos Ferreira, na última quinta-feira (2/6), aos 50 anos.

Roberto Carlos Ferreira nasceu em Ponta Porã, na fronteira com Pedro Juan Caballero (Paraguai), em 02 de maio de 1966. Taxista se tornou referência para os trabalhadores na fronteira, sendo eleito quatro vezes presidente da Associação dos Taxistas de Ponta Porã, sendo que no ano 2000 ficou como suplente de vereador ao receber 632 votos. Estudou na Escola estadual Dr. Joaquim Murtinho nos anos 80 onde já se destacava como líder estudantil. Casou com Marlene Lorenzi em 1990, da união nasceram os filhos Leticia e Leandro.

O taxista Roberto Carlos Ferreira (Betão) tinha assumido a Direção da Agência do Detran no município de Ponta Porã no mês de abril e pretendia fazer um trabalho diferenciado no órgão estadual em conformidade com os anseios do Governador Reinaldo Azambuja. A indicação para o cargo partiu do deputado estadual Flávio Kayatt em que Betão foi diretamente ligado.

Sua história em defesa dos taxistas é um misto de luta e compromisso com a classe na fronteira.

Marcelino Nunes se une à família e amigos de Betão, neste momento de perda, manifestando sua solidariedade, seus sentimentos e orações à esposa Marlene e filhos Leticia e Leandro.

Legenda:
Irmãos taxista no cortejo de Roberto Carlos Ferreira – Foto: Maria Aurora Cunha