Médica volta para casa após morar 1 ano em trailer para proteger a família

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

A médica americana, Tiffany Osborn, finalmente voltou ao lar, após morar por 1 ano num trailer da pandemia, já que trabalha na linha de frente.

Em março de 2020, ela tomou a decisão de morar numa ‘motorhome’ para não colocar em risco o marido e os dois filhos.

Ela trabalha na Unidade de Terapia Intensiva – UTI – do Hospital Barnes-Jewish, em St. Louis, EUA, tratando os pacientes infectados.

A Dra. Osborn é também professora de cirurgia e medicina de emergência na Universidade de Washington. Segundo a médica, não passava pela sua cabeça, ficar um ano morando numa casa improvisada.

“É lamentável que os Estados Unidos tenham sido um dos países mais atingidos por esta doença”, disse a médica à CNN.

Os EUA atingiram 30 milhões de casos confirmados e 549.000 mortes registradas até o final de março de 2021.

Volta

Após ser vacinada no final de março, Osborn voltou a conviver com a família, considerando que o risco havia diminuído.

Mesmo assim, ela continua mantendo os métodos de proteção exigidos pela profissão.

“Quando chego em casa, ainda deixo meus sapatos na garagem. Eu tenho uma área onde eu tiro, visto um robe e tomo banho. Sentimos que após a vacina, continuar a tomar precauções, diminui o risco para minha família”.

Gratidão

Ela diz que está grata por retornar de forma segura para a família.

“Sentimo-nos abençoados por ter voltado para casa, para minha família, principalmente pelo fato de que muitas pessoas não voltaram para casa com seus entes queridos.”

A médica ainda lembrou ter tido sorte porque ela e o marido economizaram dinheiro, o que os ajudou a comprar o trailer onde ela morou durante o tempo que passou separada da família.

“Era muito difícil vê-los de longe e conviver com a incerteza de não saber quando tudo acabaria”, concluiu a médica.

Fotos: Arquivo Pessoal
Fotos: Arquivo Pessoal

Por Andréa Fassina, da redação do Só Notícia Boa – Com inforrmações do Nation