Militares atacam jornalistas na fronteira

CF58C26A-B832-4D83-BA4F-186C510AB2A8
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Militares atacam jornalistas na fronteira

COM TANQUE DE GUERRA, ROSTOS COBERTOS E FUZIL NA MÃO, MILITARES AGRIDEM JORNALISTAS NA FRONTEIRA

Militares do Exército paraguaio tentaram impedir repórteres de cobrir ameaça de invasão a uma área militar em Pedro Juan e agrediram a jornalistas que cobriam o caso na manhã de sexta-feira (27) em Pedro Juan Caballero na fronteira com Ponta Porã.
Armados com fuzil e tanque de guerra os militares comandados pelo Tenente Coronel Sergio Espinoza, vulgo “Conti” impediram os repórteres de fazer imagens deles e das famílias que estavam próximas à área militar localizada na margem da Ruta 5, rodovia que liga Pedro Juan Caballero à capital Asunción.
De acordo com jornalistas da fronteira, os repórteres de jornais e emissoras de TV baseados em Pedro Juan foram ao local para acompanhar a ameaça de ocupação da área militar por famílias sem-teto.
Quando tentavam gravar imagens e tirar fotos da movimentação, os repórteres Marciano Candia, do jornal Última Hora, Nelson Candia da emissora de radio Império FM e Angel Recalde da emissora de radio Futura FM, foram atacados pelos militares e jogado ao chão, a situação irritou a imprensa local pela que os jornalistas que atuam na região de fronteira, repudiaram a ação militar e cobraram resposta e uma punição exemplar ao Tenente Coronel pelo ataque gratuito a imprensa no exercício de informar a população, pela que os comunicadores envolvidos no caso denunciaram a agressão ao promotor de justiça Marcos Amarilla na sede do Ministério Publico em Pedro Juan Caballero na fronteira com o estado do Mato Grosso do Sul, já que situações como esta e inadmissível em um estado democrático.