Morre José Paulo de Andrade, ícone do radiojornalismo

Jose Paulo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Morre José Paulo de Andrade, ícone do radiojornalismo

O jornalista e apresentador José Paulo de Andrade faleceu, na manhã desta sexta-feira (17), aos 78 anos. Ele estava internado desde o dia 7 de julho, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, por complicações da covid-19.
José Paulo tinha 60 anos de carreira no rádio e 57 na Rádio Bandeirantes. Ele era considerado o ícone do jornalismo de São Paulo desde a década de 1970 com a apresentação dos programas “O Pulo do Gato” (1973) e “Jornal da Bandeirantes Gente” (1978).
A informação da morte do jornalista foi noticiada na Rádio Bandeirantes na manhã desta sexta-feira. “É com muita tristeza que comunicamos a morte do nosso colega e amigo José Paulo de Andrade. O Zé Paulo tinha 60 anos de rádio, 57 de Rádio Bandeirantes. Nosso companheiro no ar e fora dele. É com muita tristeza que comunicamos o falecimento dele. Hoje será um dia muito difícil para a família Bandeirantes”, disse a diretora da emissora, Thays Freitas.

Crédito: Rádio Bandeirantes
A notícia de sua morte gerou comoção entre os jornalistas no Twitter.

“Morre José Paulo de Andrade da Rádio Bandeirantes. Luto no jornalismo, no microfone e no Pulo do Gato. Zé Paulo fez TV e tudo no rádio: narrou, foi repórter volante, comentarista e Gde analista político. Obrigado por tudo, Zé Paulo!”, escreveu  Milton Neves, apresentador do Grupo Bandeirantes.

“Sempre teve voz forte e opinião contundente, ao mesmo tempo que generosa. Tocava meu coração sempre que nos encontrávamos, pois fazia questão de lembrar a história de meu pai. Era a lenda falando da lenda. Nosso carinho à família de José Paulo de Andrade”, disse Milton Jung, jornalista da rádio CBN.

História
Zé Paulo começou a sua carreira em 1960, aos dezoito anos, como rádio escuta na Rádio América. Estreou na Rádio Bandeirantes, aos 21 anos, como locutor esportivo e repórter, onde permaneceu por 14 anos.

Sua história foi contada no livro “Ninguém segura esse gato”, escrito pelo jornalista Cláudio Junqueira.

Zé Paulo era casado e tinha dois filhos e uma neta.