Na semana do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, Washington Post destaca casos críticos de jornalistas

post 1
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Na semana do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, Washington Post destaca casos críticos de jornalistas

A Parceria para a Liberdade de Imprensa do Washington Post lançou nesta segunda-feira (27/04) uma campanha publicitária destacando jornalistas de todo o mundo que atualmente estão detidos ou perseguidos por suas reportagens.

A campanha vai até o dia 3 de maio, no Dia Mundial de Liberdade de Imprensa, e será publicada no meio impresso e nos digitais.

Crédito:Reprodução The Post
“Em um momento em que a liberdade de informação é mais importante do que nunca, precisamos garantir que os jornalistas possam divulgar as notícias livremente, sem medo de perseguição”, diz Frederick J. Ryan Jr., editor e CEO do The Post.

Os jornalistas que serão destacados são: Austin Tice, dos Estados Unidos; Claudia Duque da Colômbia; Azimjon Askarov, do Quirguistão; Solafa Magdy, do Egito; e Iwacu, do Burundi.

“Os jornalistas destacados nesta campanha publicitária estão enfrentando ameaças de assassinato, detenção e sentenças de prisão perpétua simplesmente por fazerem seu trabalho – denunciar a verdade e responsabilizar os poderosos”, afirma o CEO do The Post.

A Parceria para a Liberdade de Imprensa é uma iniciativa do The Post para promover a liberdade de imprensa e conscientizar os direitos dos jornalistas de todo o mundo que estão em busca da verdade.

Conheça o histórico dos jornalistas em destaque:

Austin Tice: Em maio de 2012, Austin Tice foi para a Síria como jornalista freelancer, contar a história do conflito em curso no país e seu impacto na vida de pessoas comuns da Síria. Em agosto de 2012, Austin seguia para o sul de Damasco quando foi detido em um posto de controle e está na Síria desde então.
Claudia Duque: Jornalista colombiana, Claudia teme por sua vida e de sua família em meio às ameaças orquestradas pelo governo, após revelar corrupção dos membros do Exército e de políticos na Colômbia.

Azimjon Askarov: Após documentar violações dos direitos humanos em sua cidade natal no Quirguistão, em meio a surtos de violência étnica na região, Askarov foi acusado de incitação e ódio étnico e condenado à prisão perpétua. Seu apelo final ao tribunal está agendado para maio de 2020.

Solafa Magdy: Jornalista freelancer multimídia, fez reportagens sobre política e direitos humanos e contribuiu para o último jornal independente do Egito, Mada Masr. Ela foi detida e acusada de pertencer a um grupo proibido e de espalhar notícias falsas.

Jornalistas de Iwacu, Burundi: As repórteres Christine Kamikazi, Agnès Ndirubusa e Egide Harerimana, além do fotojornalista Térence Mpozenzi, foram presos enquanto entrevistavam cidadãos locais sobre confrontos entre seguranças e pistoleiros que haviam atravessado a República Democrática do Congo.  Eles foram condenados por tentativa de minar a segurança do Estado e sentenciados a 2,5 anos de prisão.