Novo plenário da Assomasul terá o nome do ex-prefeito de Bela Vista, Renato de Souza Rosa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Juvenal Neto inaugura novo plenário e dependências da Assomasul

Espaço terá o nome do ex-prefeito de Bela Vista, Renato de Souza Rosa, que se suicidou no ano passado.

Willams Araújo*

Presidente da Assomasul, Juvenal Neto (PSDB) (Foto: Edson Ribeiro )

O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Juvenal Neto, entrega na tarde desta quarta-feira (21) a reforma do plenário e demais dependências da entidade, localizada em local nobre de Campo Grande.

O ato de entrega da ampliação do moderno plenário da entidade municipalista está marcado para começar às 14 horas na presença de várias lideranças políticas regionais, além dos prefeitos associados.

Por consenso foi escolhido o nome do ex-prefeito de Bela Vista, Renato de Souza Rosa, que se suicidou no ano passado, para dar nome ao novo plenário, numa justa homenagem a um grande municipalista, segundo atesta o presidente Juvenal Neto.

Cumprindo compromisso no interior do Estado, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o secretário Sérgio de Paula (Casa Civil) ficaram de participar do ato inaugural, porém, apenas caso não sejam impedidos de retornarem a Campo Grande devido à chuva que cai em várias regiões desde as primeiras horas do dia de hoje.

Durante a cerimônia, Neto deve dizer que o novo plenário foi idealizado pelo corpo de engenheiros e arquitetos que compõe a Central de Projetos da Assomasul e servirá para comportar um maior número de pessoas, sobretudo, proporcionar mais conforto aos gestores públicos associados nos dias de evento.

As reformas fazem parte de um compromisso assumido pela atual diretoria da Assomasul, que em janeiro do ano que vem será substituída por determinação regimental.

Ao longo de seu mandato, Neto tem sido fiel escudeiro da causa municipalista, participando de várias manifestações e eventos institucionais, tanto em Mato Grosso do Sul quanto em Brasília  nos atos organizados pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), da qual integra o Conselho Político.

Além de ter se dedicado muito em suas atividades na cidade de Nova Alvorada do Sul, na qual está na iminência de encerrar o mandato de prefeito, Neto defendeu um conjunto de ações em favor dos demais municípios de Mato Grosso do Sul.

HERANÇA MALDITA

O dirigente municipalista se diz preocupado com os últimos acontecimentos políticos e econômicos ocorridos nos últimos anos no País, com reflexo negativo, segundo ele, diretamente nas gestões municipais.

Apesar de apontar alguns avanços, como o aumento de 1% no repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e a liberação dos recursos como parte da repatriação de dinheiro do exterior, Neto vê com extrema preocupação a “herança maldita” que o governo federal deixou para as prefeituras, em sua maioria em estado de insolvência por culpa do não cumprimento dos convênios firmados entre os entes federativos.

O presidente da Assomasul se refere a inúmeros programas sociais criados pelos governos Lula e Dilma sem a devida fonte de recursos para que as prefeituras pudessem cumprir a contrapartida. Isso, segundo ele, fez com que os prefeitos arcassem com as despesas, vindo a inviabilizar as receitas municipais.