O adeus a Orlando Duarte, um dos mais prolíficos jornalistas esportivos do Brasil

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
Redação Portal IMPRENSA
Orlando Duarte tinha orgulho de ser considerado o herdeiro de Thomaz Mazzoni, o primeiro grande jornalista esportivo do Brasil. Com mais de 50 anos dedicados à profissão, cobriu 14 edições da Copa do Mundo e dez Olimpíadas, além de ter atuado como repórter, locutor, comentarista, cronista, escritor e executivo de grandes empresas de comunicação.
Na mídia impressa trabalhou, entre outros, nos jornais A Gazeta Esportiva, A Gazeta, Mundo Esportivo, A Gazeta Esportiva Ilustrada, O Tempo, Última Hora e Diário da Noite. Foi comentarista esportivo nas rádios Bandeirantes, Jovem Pan, Trianon e Gazeta, e também da TV Cultura, SBT, Globo, Bandeirantes e Gazeta.
Orlando Duarte publicou mais de 30 livros, incluindo biografias de personalidades do esporte, enciclopédias das Copas do Mundo e das Olimpíadas, além de obras sobre Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo e Portuguesa.
Crédito: Reprodução Facebook
Orlando e a esposa, Conceição: mais de 30 livros publicados

Foi um dos jornalistas que mais acompanharam o Santos de Pelé, cobrindo, durante a década de 1960, excursões do time pela Europa, África e Américas. Boa parte do imaginário popular sobre o Rei do Futebol foi construída a partir de seus textos e comentários.

Há pouco mais de um ano, foi diagnosticado com o Mal de Alzheimer. O jornalista morreu aos 88 anos nesta terça (15), em São Paulo, em decorrência da Covid-19. Orlando Duarte deixa a mulher Conceição, seis filhos e seis netos.
“Orlando foi bravo, foi um lutador, foi forte demais e morreu à revelia. Ele não queria morrer. De um tempo para cá, ele foi fazer alguns exames e pegou COVID-19. Ele foi muito bem cuidado e foi um gigante, ainda mais nessa hora e morreu com classe. Não reclamava de nada. Não achava nada ruim”, disse Conceição, viúva do jornalista, à ESPN Brasil.