Pesquisadores da USP criam enzima menos agressiva para tratar leucemia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Tratamento menos invasivo para leucemia facilitar o acesso aos medicamentos. - Foto: Pixabay

Tratamento menos invasivo para leucemia facilitar o acesso aos medicamentos. – Foto: Pixabay

Boas novas para a nossa medicina! Um grupo de pesquisadores da USP conseguiu desenvolver uma enzima menos agressiva e que fará muita diferença para os pacientes com leucemia linfoide aguda (LLA).

A enzima asparaginase, já é a base para os medicamentos que tratam a LLA. No entanto, ela causa alguns efeitos colaterais, bem agressivo, deixando o paciente bastante debilitado.

O grupo então reformulou a composição da enzina e criou uma versão da asparaginase que não agride tanto o sistema imune de pacientes com a doença.

Para quem desejar conhecer a pesquisa completa, o estudo foi publicado na revista Science Direct.

Avanço importante

Para a professora Gisele Monteiro, do Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica da FCF, essa nova versão da asparaginase fará muita diferença nos tratamentos a partir de agora.

Segundo a pesquisadora, apesar de eficientes, os medicamentos para o tratamento da LLA podem causar efeitos que irritam o sistema imune. “Em alguns casos, podem provocar choque anafilático ou necessitar a interrupção do seu uso no tratamento”, ressalta.

Com a nova enzima, o tratamento é facilitado, principalmente em pacientes mais jovens.

Menor custo de aquisição

Além de ajudar no tratamento, Gisele lembra que a nova enzima também permitirá a fabricação de medicamentos mais barato e, consequentemente, mais acessível para a grande população.

Hoje, segundo dados da USP, o tratamento contra LLA é eficaz em 90% dos casos, mas a taxa de abandono – muitas vezes pela falta de medicamento no SUS – compromete a cura e pode levar o paciente ao óbito.

Gisele conta que somente no Brasil, temos cerca de 10 mil casos de abandono por ano.

A iniciativa coordenada pela professora Gisele envolveu pesquisadores da Universidade de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. O início foi em 2014 e a publicação no ano passado.

Por Monique de Carvalho, da redação do Só Notícia Boa – Com informações de Jornal USP