PF inocenta Greenwald em inquérito sobre hackers e novos vazamentos são divulgados

vaza
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

PF inocenta Greenwald em inquérito sobre hackers e novos vazamentos são divulgados

Dois dias após a divulgação de um relatório da Polícia Federal sobre a investigação da invasão das contas de Telegram do então juiz Sergio Moro e de procuradores da Lava Jato (no qual não é imputado nenhum crime ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do Intercept), novas reportagens com base nos arquivos vazados foram divulgadas nesta sexta, 20, pelos jornais Folha de São Paulo e El País.
No caso da Folha, texto do jornalista Ricardo Balthazar argumenta, sem citar nomes, que as mensagens vazadas da Lava Jato indicam favorecimento a jornalistas aliados da Força-tarefa.
Nas palavras de Balthazar, os nomes dos jornalistas não foram revelados “porque sua divulgação representaria uma violação do sigilo assegurado pela Constituição às relações entre jornalistas e suas fontes de informação, essencial para o exercício da profissão e para garantir a todos os cidadãos o direito de acesso à informação”.
Crédito:Reprodução (Rafael Lopes/Poder360)

Segundo o texto da Folha, os diálogos mostram diversas situações em que procuradores ajudaram repórteres de sua confiança a chegar na frente dos rivais.

“A princípio, não há nada de errado nisso”, admite Balthazar. “No contexto da Lava Jato, no entanto, muitas vezes os procuradores colocaram em xeque o compromisso assumido com a transparência de suas ações ao agir dessa maneira e usaram seus contatos na imprensa para garantir que a visão do Ministério Público prevalecesse na cobertura do caso.”
Já a reportagem do El País com base em novas mensagens vazadas revela um acordo da Lava Jato para blindar o banco Safra de punições por negociar com o doleiro Alberto Youssef. Para isso, a Força-tarefa teria arquivado em outubro inquérito que investigava conduta suspeita do banco em empréstimo a doleiro. Procuradores, contudo, dizem que acordo é de interesse público