Políticos e entidades criticam MP que acaba com exigência de registro para jornalistas

MP
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Políticos e entidades criticam MP que acaba com exigência de registro para jornalistas

Redação Portal IMPRENSA*

Publicada no Diário Oficial da União por Bolsonaro, a MP 905/2019, que acaba com a exigência de registro profissional para jornalistas e outras categorias profissionais, está sendo duramente criticada por políticos, sindicatos e entidades representativas.

O deputado federal Aldo Rebelo (PC do B – SP) informou em rede social nesta quarta, 13, que se encontrou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para falar sobre a “absurda” MP. De acordo com Rebelo, Maia considerou os termos da MP “inaceitáveis”. Em postagem feita hoje, 14, Rebelo informou que também se encontrou com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para solicitar que a casa “devolva” a MP 905/2019.
A medida faz parte do plano do governo de criar empregos instituindo novas formas de contratos trabalhistas e modificando artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Para sindicatos e entidades de classe, contudo, a ideia é atacar categorias profissionais específicas, especialmente a de jornalistas, que, quando fazem críticas, são considerados inimigos por Bolsonaro.
Crédito:Reprodução Senado Notícias
Cerimônia de assinatura da MP que extingue exigência de registro profissional para jornalistas

Em nota a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) afirmou que, “dez anos depois da derrubada do diploma de nível superior específico como critério de acesso à profissão pelo Supremo Tribunal Federal (STF)”, a MP 905/2019 é “mais um passo rumo à precarização do exercício da profissão de jornalista”.

“Na prática, sem qualquer tipo de registro de categoria, o Estado brasileiro passa a permitir, de maneira irresponsável, o exercício da profissão por pessoas não-habilitadas, prejudicando toda a sociedade”, afirmou a Fenaj.
A Fenaj também criticou o uso pelo governo Bolsonaro de medidas provisórias de maneira abusiva, “usurpando do Congresso Nacional a atribuição de legislar, sem o devido processo de tempo para reflexão e debates com toda a população sobre as alterações nas leis, que são garantidas nas tramitações que passam pela Câmara Federal e pelo Senado”, ressalta a Fenaj.
Sindicatos de jornalistas de todo o país já começam a se mobilizar contra a MP 905/2019. No Ceará, por exemplo, o Sindjorce já anunciou que realizará em 21 de novembro uma plenária contrária ao fim da exigência do registro profissional para jornalistas.