PONTA PORÃ PODE ENTRAR NA ROTA FERROVIÁRIA MS-PR

Reunião teve como pauta central viabilidade do projeto
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

PONTA PORÃ PODE ENTRAR NA ROTA FERROVIÁRIA MS-PR

Projeto “Ferro Guarani” será apresentado em Brasília e pode incluir fronteira na rota biocêanica

Carlos Monfort*

Ponta Porã pode ser incluída na rota ferroviária ligando Mato Grosso do Sul ao Paraná. Projeto nesse sentido foi tema de reunião no gabinete do prefeito Hélio Peluffo, no sábado 1º de fevereiro, quando técnicos do Ministério da Integração Nacional apresentaram ao prefeito Hélio Peluffo projeto ´Ferro Guarani´, criando um eixo de ferrovia ligando Porto Murtinho-Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, a Cascavel (PR).

O projeto é audacioso e visa a implantação da Ferrovia Bioceânica Ferro-Guarani, uma ferrovia interligando Brasil, Paraguai, Chile e Argentina e os Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná, o que garantiria uma nova rota de escoamento da produção entre os estados e países, barateando custos e alavancando o desenvolvimento do Centro Oeste.

O projeto teria um ponto de entroncamento ferroviário em Tacuru, unindo regiões do Paraguai e Brasil com destino ao Chile, ligando dois oceanos e barateando o custo do transporte e gerando desenvolvimento para os quatro países, em ferrovias brasileiras, argentinas e chilenas, transpassando pelo território Paraguaio, assim denominada Ferrovia de Integração Ferro-Guarani, em homenagem a um dos maiores aquíferos do mundo. O projeto ligaria ainda a Ferroeste, já existente até em Cascavel e daí ao Porto de Paranaguá.

No projeto, a criação dessa linha passando por Ponta Porã contemplaria toda a região, e incluiria ainda a cidade de Dourados, com entreposto de cargas no distrito de Nova Itamarati, em Ponta Porã, e Itahum, em Dourados.

Os técnicos representando o Ministério da Integração Nacional explicam que o corredor bioceânico vai reduzir em 17 dias o trajeto de viagem das commodities de Mato Grosso do Sul até o mercado asiático, embarcando nos portos do Chile, ao invés de usar os portos de Paranaguá (PR) ou de Santos (SP). Com o corredor bioceânico garantido – o Paraguai está pavimentando o trecho de 600 quilômetros da rota que corta seu território – os países, agora, concentram negociações para concretizar também o modal ferroviário.

Implantado, a integração ferroviária passando por Ponta Porã seria o terceiro maior conglomerado da América do Sul, ligando Brasil, Chile, Argentina e Paraguai. Essa ligação também teria um braço chegando até o interior do vizinho Estado de Mato Grosso, com ramal em Rondonópolis. O projeto será apresentado nos próximos dias 12 e 13, em Brasília.

Participaram da reunião além do prefeito Hélio Peluffo, o vice-prefeito Caio Augusto, vereador presidente da Câmara Municipal, Roni Lino, secretários municipais Ricardo Soares (Procuradoria Jurídica), Dulce Manosso (Administração), vereadores Annie Espíndola e Vanderlei Avelino.