Prêmio Vladimir Herzog recebe inscrições até 06 de agosto

B13F857A-FB83-4A16-9DB6-B2406FBE13AD
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Prêmio Vladimir Herzog recebe inscrições até 06 de agosto

O 42º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos recebe inscrições até o dia 06 de agosto
A premiação reconhece o trabalho de jornalistas, repórteres fotográficos e artistas do traço que, por meio de seu trabalho cotidiano, defendem a democracia, a cidadania e os direitos humanos.
A solenidade de premiação será dia 25 de outubro, domingo, em ambiente virtual.
Categorias 
O prêmio contará com seis categorias na edição deste ano. São elas:
Arte – ilustrações, charges, cartuns, caricaturas e quadrinhos publicados em veículos impressos ou eletrônicos
Fotografia – Foto ou série fotográfica publicada em veículos impressos ou eletrônicos
Produção jornalística em texto – Reportagens em texto publicadas em veículos impressos ou eletrônicos
Produção jornalística em áudio – Reportagens ou documentários em áudio
Produção jornalística em vídeo – Reportagens ou documentários em vídeo

Produção jornalística em multimídia – Reportagens multimídia publicadas na internet

Crédito:Divulgação Instituto Vladimir Herzog
Inscrição
Os candidatos devem acessar o site do Prêmio, preencher a ficha cadastral e anexar sua obra publicada ou veiculada no período compreendido entre 21 de julho de 2019 a 31 de julho de 2020.
Acervo virtual 
Para conhecer a história do jornalista, o Instituto Vladimir Herzog disponibilizou um grande acervo virtual sobre Vlado.

O acervo resgata a trajetória profissional e pessoal do jornalista com mais de 1.700 itens digitalizados.

A ideia do instituto é apresentar a história de Herzog para além do seu assassinato durante a ditadura civil-militar, em outubro de 1975.

O presidente do Conselho do Instituto, Ivo Herzog, filho do jornalista, explica que é importante disponibilizar o acervo para humanizar a história de Vlado.

“Tudo o que tinha sobre o meu pai era sobre sua morte. Agora podemos mostrar quem ele realmente era: detalhes da família, todo o material que ele produziu, não apenas no jornalismo. Ele amava cinema e fotografia”, disse para a Folha de S. Paulo.

O arquivo foi desenvolvido em mais de dois anos de pesquisa intensa. Entre os itens estão mais de mil fotografias, muitas registradas pelo próprio Vlado – nome de nascimento -, reportagens, cartas e uma série com depoimentos de familiares e amigos do jornalista.