Programas “policialescos” cometem 15 mil infrações

em-um-mes-programas-policialescos-cometeram-mais-de-15-mil-infracoes
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Programas “policialescos” cometem 15 mil infrações

em-um-mes-programas-policialescos-cometeram-mais-de-15-mil-infracoesPor Edir Pedro Lima

O site do Comunique-se postou que as atrações definidas como “policialescas” transmitidas em emissoras de rádio e TV cometeram 15.761 infrações a leis brasileiras e multilaterais. O registro é baseado em apenas 30 dias, precisamente de 2 a 31 de março do ano passado. O dado faz parte do estudo realizado pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi), que divulgou os resultados na última semana.

Segundo a publicação, além das mais de 15 mil infrações à legislação nacional, a pesquisa aponta que programas produzidos pela imprensa desrespeitaram normas regulatórias, como o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, em 1.962 oportunidades (tendo como base o mesmo período de 2015). Para chegar aos números, os organizadores do levantamento acompanharam 28 produções geradas em dez cidades do país.

Os municípios que tiveram programas policialescos monitorados foram Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Para a realização dos trabalhos, a Andi contou com parceria do Ministério Público Federal e teve colaboração de entidades civis, casos da Artigo 19 e do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social.

O site acrescenta que, ao analisar os resultados, a Andi sugere que o modelo de radiodifusão do país precisa ser reavaliado. “O monitoramento revelou um volume de violações e infrações que evidencia o caráter não circunstancial das práticas anti-humanistas e antidemocráticas desse modelo de comunicação”, afirma a entidade.

Para a instituição, o estudo releva que há na mídia “padrões discursivos incompatíveis com a democracia, com ataques reiterados a suas instituições e instrumentos; discursos de ódio contra o campo de defesa dos direitos humanos; e combate público aos parâmetros que regem o exercício da imprensa”.