Rádios comunitárias como moeda de troca: tradição na política brasileira - CLUBE DE IMPRENSA

Rádios comunitárias como moeda de troca: tradição na política brasileira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Rádios comunitárias como moeda de troca: tradição na política brasileira

Redação Portal IMPRENSA*
Reportagem do Estadão publicada neste domingo (26) revela que, entre março e abril, o presidente Jair Bolsonaro enviou ao Congresso 440 autorizações para o funcionamento de rádios comunitárias em todo o país.
O número é o maior da década, superando as 302 outorgas concedidas pelo governo Dilma Rousseff em 2013. Em 2009 o então presidente Lula concedeu 630 liberações.
Hoje há 4,6 mil rádios comunitárias operando legalmente no Brasil.
Crédito:Reprodução

Antes consideradas piratas, as rádios comunitárias foram reconhecidas por lei há 22 anos. Elas devem ter até 25 Watts de potência, alcance máximo de 4 quilômetros e não podem veicular peças publicitárias tradicionais de produtos e serviços, apenas anúncios institucionais. Na prática, porém, não é isso que ocorre

Ao Estadão, representantes do setor disseram que a liberação recorde de outorgas em ano eleitoral é um sinal de que as rádios comunitárias estão sendo usadas como moeda de troca em busca de apoio no Congresso, mantendo uma tradição que remonta a outros governos.
Muitas das rádios que obtiveram licença de funcionamento este ano exercem atividades políticas e têm entre seus representantes pessoas que são ou foram filiadas a partidos do Centrão, como Republicanos, Progressistas, PSD e PL.
Nas eleições presidenciais de 2018, os responsáveis pela campanha do então candidato Bolsonaro consideravam as rádios comunitárias um reduto de petistas.