Reinaldo Azambuja participa com Bolsonaro de inauguração da Estação Radar de Corumbá

RADAR
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Reinaldo Azambuja participa com Bolsonaro de inauguração da Estação Radar de Corumbá

Será a primeira visita de Bolsonaro a Mato Grosso do Sul após ser eleito presidente da República 

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o governador Reinaldo Azambuja participa nesta terça-feira (18), às 10h, da inauguração da Estação Radar, no Aeroporto de Corumbá. Apesar de ter servido no Grupo de Artilharia de Campanha em Nioaque, nos anos de 1979 a 1981 como tenente do Exército, será a primeira visita de Bolsonaro a Mato Grosso do Sul como presidente da República.

O novo instrumento irá reforçar o sistema de radares e monitoramento da Força Aérea Brasileira (FAB) para reprimir ações do tráfico aéreo. A estação possui dois radares (o primário LP23SST-NG e o secundário RSM97OS) para controlar o espaço aéreo com foco na melhoria da cobertura em baixas altitudes para a identificação da presença de aeronaves não-autorizadas com cargas ilícitas, no território brasileiro.

A estrutura instalada em Corumbá é resultado da parceria firmada em 2018 entre a FAB e a empresa Omnisys, subsidiária do Grupo Thales no Brasil, que prevê ainda a instalação de sistemas de vigilância em Porto Murtinho e Ponta Porã. Os locais foram escolhidos devido ao número de aeronaves observadas entrando no País de maneira irregular pela região e pelas eventuais falhas na cobertura de radar.

Ao todo, a FAB adquiriu junto a Omnisys/Grupo Thales os três sistemas radar ao custo de R$ 127 milhões para ampliar a vigilância na fronteira do Brasil com países vizinhos. Os sistemas terão raio de alcance de 463 milhas.

O reforço no sistema de radares da Aeronáutica será fundamental no combate ao tráfico internacional de cocaína boliviana na região de fronteira para o Brasil a partir de Corumbá. Somente neste ano, segundo a FAB, foram interceptadas mais de 3,5 toneladas de cocaína em voos clandestinos da Bolívia para o Brasil, por meio das unidades de caça, na maioria das vezes interceptações do Esquadrão Flecha, da Ala 5 (antiga Base Aérea de Campo Grande).

Como funciona

O radar primário capta qualquer objeto no caminho por meio de uma onda eletromagnética. Ele se assemelha ao sonar de um submarino e tem grandes áreas de cobertura. Já o radar secundário funciona associado ao primário e faz a comunicação com o transponder do avião para descobrir dados como altitude e velocidade.

Combate ao narcotráfico

As interceptações de voos clandestinos, muitos deles a serviço do narcotráfico, geralmente são feitas por aeronaves de caças A-29 Super Tucano, com o apoio da aeronave E-99, radar que participa das atividades de controle do espaço aéreo brasileiro.

Mas são as forças policiais de Mato Grosso do Sul, em especial o DOF (Departamento de Operações de Fronteira), as principais responsáveis pelas apreensões de drogas do país. De janeiro a agosto de 2020, a polícia sul-mato-grossense tirou de circulação mais de 424 toneladas de drogas, um aumento de 88% em relação ao mesmo período do ano passado.

Desde 2015, as forças estaduais apreenderam 2.057 toneladas de maconha e cocaína, que teriam como destino os grandes centros urbanos nacionais e internacionais, segundo a Superintendência de Inteligência da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Paulo Fernandes, Subcom

Foto: Chico Ribeiro