Remédio experimental de Israel contra Covid recupera pacientes em 5 dias

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Pacientes internados em hospital - Foto: Atef Safadi / EFE/EPA

Pacientes internados em hospital – Foto: Atef Safadi / EFE/EPA

Esperança! Pesquisadores de Israel anunciaram nesta sexta, 5, que desenvolveram um remédio experimental contra o câncer que está conseguindo recuperar pacientes internados com Covid-19.

Os cientistas afirmaram que 29 dos 30 pacientes – com casos moderados a graves de coronavírus – tratados com EXO-CD24 tiveram recuperação completa em apenas cinco dias, informou a agência Reuters.

É importante dizer que as pesquisas ainda estão no começo e foram feitas com poucas pessoas, mas são animadoras.

O professor Nadir Arber, do Centro Integrado de Prevenção do Câncer de Ichilov, passou anos desenvolvendo a droga para câncer de ovário antes de testá-la em pacientes com Covid-19.

O EXO-CD24 é tomado uma vez a cada cinco dias e é relativamente barato, de acordo com o professor Arber, que não revelou o preço.

A pesquisa

Os cientistas administraram uma dose do medicamento em 30 pacientes com infecções graves ou moderadas por covid-19.

Não ficou claro a idade dos pacientes, mas os dados mostram que os mais jovens têm muito menos probabilidade de se recuperarem mais rapidamente – 29 mostraram melhora significativa de três a cinco dias.

Os sintomas do 30.º paciente também melhoraram, mas depois do período de cinco dias, de acordo com relatos publicados pela imprensa israelense.

Dados mostram que, em média, um paciente com coronavírus passa até três semanas internado.

Aumentar a pesquisa

O tamanho da amostra de testes é muito baixo para tirar qualquer conclusão sobre a eficácia do medicamento. Os dados também não foram publicados em um jornal especializado. Mas os cientistas estão animados.

Os pesquisadores israelenses querem fazer um estudo mais amplo da droga, com centenas de pacientes e comparar os resultados com um placebo.

Rinaldo Oliveira SNB com informações da Reuters e Estadão