Repórter do Wall Street Journal é detido na Turquia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

O correspondente do Wall Street Journal em Istambul Dion Nissenbaum foi detido pelas autoridades turcas por dois dias sem que lhe fosse permitido contactar com a sua família ou advogados. O jornalista foi libertado no último final de semana.  Diante dos múltiplos atropelos à liberdade de imprensa – e à liberdade individual – o jornal New York Times anunciou que deixará de publicar os nomes dos seus repórteres turcos com objetivo de protegê-los.

A Turquia tem um longo histórico de enviar jornalistas para a prisão – normalmente disputa o primeiro lugar com a China e os Repórteres Sem Fronteira classificam-na como um dos predadores da liberdade de imprensa”. Mas a repressão intensificou-se desde as eleições de Junho de 2015, quando o AKP do Presidente Recep Tayyip Erdogan não conseguiu maioria absoluta nas legislativas, e ainda mais após o golpe de Estado falhado de 15 de Julho deste ano.

Nas contas do Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ, apresentadas em meados de Dezembro, há pelo menos 80 presos na Turquia. Mas outras contas fizeram subir o número até 140.

Além disso, mesmo no fim do ano, o Governo turco lançou uma nova vaga de detenção de jornalistas – o pretexto é espalhar propaganda terrorista. Isto significa, na vaga interpretação permitida pela lei antiterrorismo turca, escrever ou partilhar nas redes sociais informação sobre organizações que o Estado turco classifica como terroristas – o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o Daesh, a organização do imã Fethullah Gülen, que antes era um aliado de Erdogan e agora é tido como o responsável pelo golpe de Estado de Julho.

Segundo o Wall Street Journal, Dion Nissenbaum foi detido por ter violado uma proibição governamental de publicar imagens de vídeos do Daesh. Os blackouts informativos e da Internet, quando há atentados, manifestações, ou são feitas detenções, por exemplo, são comuns. Mais de 1600 pessoas foram presas nos últimos seis meses devido à sua actividade nas redes sociais, segundo números divulgados pelo Ministério do Interior e dez mil pessoas estão sob investigação por causa do que fazem online, destacou o jornalismo da Rádio Líder FM 104,9 de Ponta Porã (MS).

Informações: Publico.pt