Sai general, entra publicitário: troca de comando na EBC visa impulsionar parcerias com iniciativa privada

glen
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Sai general, entra publicitário: troca de comando na EBC visa impulsionar parcerias com iniciativa privada

Redação Portal IMPRENSA

Empresa pública federal responsável por administrar a Rede Nacional de Comunicação Pública, da qual fazem parte a TV Brasil, a Agência Brasil e nove emissoras de rádio espalhadas pelo país,  a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) tem um novo diretor-presidente.
Trata-se do publicitário Glen Lopes Valente, que substitui o general Luiz Carlos Pereira Gomes, no comando da empresa desde agosto de 2019. A nomeação foi publicada nesta quarta (30) no Diário Oficial da União.
Crédito: Reprodução Facebook
No governo Bolsonaro por indicação de Fábio Faria, Glen Lopes Valente já foi executivo do SBT e do HSBC

Valente começou a atuar no governo Bolsonaro em abril de 2019, por indicação do ministro das Comunicações, Fábio Faria. Até então ele era secretário de publicidade e promoção da Secretaria da Comunicação Social da Presidência da República.

Já tendo comandado os departamentos comercial e de marketing do SBT, além de ter sido vice-presidente de marketing do HSBC, o publicitário assume o comando da EBC com a missão de viabilizar parcerias com a iniciativa privada.

Em maio a empresa foi incluída no Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI), num lance cujo objetivo é justamente possibilitar que a estatal seja objeto de estudos técnicos e avaliação de alternativas de parceria com a iniciativa privada.
A proposta, porém, é polêmica. Na visão da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), a inclusão da EBC em um programa de privatização desrespeita a Constituição, ataca o direito à informação da sociedade brasileira e representa uma redução da transparência do Poder Executivo.
“A mídia pública foi criada nas primeiras décadas do século XX para atender às demandas por informação e cultura dos cidadãos, que não conseguem ser garantidas por empresas em busca de lucro”, sustentou a entidade em maio, quando A EBC foi inclusa no programa de privatização.
Além de integrar um plano de parcerias com a iniciativa privada, a EBC tem sido palco de diferentes intervenções, em sua linha editorial e programas jornalísticos, por parte de membros do governo Bolsonaro.
No começo deste ano, por exemplo, o programa Fique Ligado, da TV Brasil, cobriu a exposição “O Pasquim 50 anos”, que estava em cartaz no Sesc São Paulo. Na matéria que foi ao ar, acabou sendo cortado um trecho que mencionava a prisão de jornalistas do semanário durante a ditadura militar.

Em outro episódio de interferência da cúpula do governo na produção da EBC, desta vez ocorrido em novembro de 2019, jornalistas da TV Brasil enviaram uma carta à direção da emissora reclamando de censura na cobertura do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.