Santos estuda punir zagueiro que agrediu repórter

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Zagueiro Fabián Noguera. Foto: Guilherme Dionízio / Gazeta Press

O repórter Lucas Musetti, do GloboEsporte.com, foi ameaçado e agredido pelo zagueiro Fabían Noguera, do Santos, no último sábado. A situação ocorreu pouco depois do apito final da vitória do Santos por 5 a 1 sobre o Kenitra, do Marrocos, em amistoso no Pacaembu.

A diretoria do Santos e o zagueiro argentino Fabián Noguera tiveram uma reunião na tarde desta quinta-feira (2), na Vila Belmiro, antes do treino que aconteceu no estádio. Representado pelo diretor de futebol Dagoberto Santos, o clube queria ouvir a versão do jogador – que tem contrato até julho de 2021 – antes de definir qual atitude tomar. Por enquanto, porém, o Santos disse que não irá se pronunciar sobre o caso.

Tudo começou com uma postagem do repórter, destacando que Fabián Noguera havia falhado no único gol do time marroquino – o Santos venceu por 5 a 1.

Após o apito final, ao ser informado sobre a crítica, o zagueiro santista foi tirar satisfação com o jornalista em tom de ameaça e, segundo relatos do próprio, segurou-o pela gola da camisa e exigiu que ele lhe informasse os motivos da crítica. Já no domingo, o repórter registrou um boletim de ocorrência.

Fabián Noguera chegou ao Santos na metade de 2016, após passagem pelo Banfield-ARG. Como não jogava há muito tempo, o jogador recebeu um tratamento especial da comissão técnica e do departamento médico e foi estrear só em outubro.

Desde que chegou ao Santos, Fabián Noguera disputou sete jogos oficiais e marcou um gol. Por enquanto, porém, não foi o suficiente para convencer o técnico Dorival Júnior, que o deixou fora da lista inicial de inscritos para o Paulista. Com a ameaça ao jornalista, a situação do zagueiro deve piorar ainda mais.

A TV Tribuna, emissora à qual Lucas Musetti está vinculado, prestou toda a assistência necessária ao jornalista imediatamente após tomar conhecimento dos fatos. O repórter foi orientado a registrar um boletim de ocorrência e, a partir de então, o caso passou a ser de competência das autoridades.