Sindicato pede intervenção na Super Rádio Tupi

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Por Edir Lima da ABI*

Comunicador Fernando Sergio participou da manifestação em apoio aos funcionários da rádio.

Funcionários da Super Rádio Tupi, em greve desde o último dia 30, realizaram nova manifestação nessa quinta-feira (12), em frente ao prédio do Ministério Público do Trabalho. O movimento foi em defesa dos direitos dos trabalhadores da rádio que estão sem receber salários há cinco meses, além do 13º do ano passado e de 2015.

O Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro pede a intervenção do Ministério do Trabalho para que os funcionários da rádio recebam seus salários.

Segundo Leonel Querino, diretor do Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro, são 262 famílias passando por grave situação financeira.

“Esses funcionários sofrem por não terem o mínimo para oferecer às suas famílias. O sindicato está solicitando ao Ministério do Trabalho uma intervenção para tirar os funcionários dessa inércia. Estamos com sete ações coletivas tramitando na Justiça para dar um basta nessa situação”,

Leonel Querino ressaltou que a negociação para a compra da Super Rádio Tupi pelo empresário Paulo Masci Abreu ainda não foi concluída. Segundo ele, o sindicato o contato do empresário para sinalizar sobre a situação dos funcionários em relação aos salários.

“Não estamos em greve para escolher patrão, mas para defender os direitos dos trabalhadores independente de quem esteja no comando”, disse o diretor do sindicato.

Além de cerca de 50 funcionários, a manifestação reuniu um público de aproximadamente 100 pessoas, a maioria pedindo pela volta da programação normal da rádio, que desde o dia 30 só toca música. Os comunicadores Haroldo de Andrade Jr. e Fernando Sérgio

“Quando soube da manifestação, fiz questão de comparecer. Não dá para acreditar que uma rádio popular como essa não tem dinheiro para pagar seus funcionários. Minha avó, de 83 anos, passa o dia todo ouvindo a programação da Super Rádio Tupi. Com essa greve, ela é o retrato da solidão”, lamentou o auxiliar de serviços gerais, Antonio Costa.

O manifesto foi organizado pelos funcionários da Super Rádio Tupi, com o apoio do Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro, Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio de Janeiro, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Central Única dos Trabalhadores (CUT), destacou o jornalismo da Rádio Líder FM 104,9 de Ponta Porã (MS).