Sociedade civil lança manifesto pelo fim do financiamento de programas que violam direitos humanos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
Redação Portal IMPRENSA*
Manifesto assinado por entidades como Rede Andi, Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), Coletivo Intervozes, Conselho Federal de Psicologia, Instituto Sou da Paz, Instituto Noa e por personalidades como a Deputada Federal Luíza Erundina (PSOL-SP), pede o fim do financiamento publicitário dos programas chamados de “policialescos” veículos por rádio e TV.
Crédito: Reprodução / Andi
“Ao se valer de sensacionalismo e violência, tais programas violam sistematicamente inúmeros direitos humanos, se aproveitam da exposição indevida da imagem de vítimas e acusados, da promoção do racismo, do machismo e da homofobia, além de legitimarem e estimularem violências institucionais, como a policial, para atrair audiência”, argumenta o manifesto.
O manifesto traz também o estudo ‘Violações de direitos na mídia brasileira’, publicado em 2015 e que acompanhou 28 programas do gênero durante 30 dias, em 10 estados brasileiros, e constatou mais de 4.500 violações de direitos, 8.232 infrações às leis brasileiras, 7.529 infrações a acordos internacionais e 1.962 desrespeitos a normas autorregulatórias nas matérias apresentadas.
“Acreditamos que o financiamento de violações sistemáticas a direitos fundamentais não faz parte dos valores dessas instituições. Deste modo, convocamos empresas públicas e privadas a reverem seus planos de publicidade, manifestando-nos pelo fim do financiamento de tais violações, especialmente dos direitos de crianças e adolescentes, prioridade absoluta em nosso país, conforme determina o artigo 227 da Constituição Federal”, resume o texto.
Clique aqui para ler o manifesto na íntegra.