V encontro para jornalistas: trabalho e direitos humanos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

No ano em que se comemora 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região (Amatra1) chama atenção para a importância de reconhecer o acesso ao trabalho decente como condição fundamental à dignidade humana. Dia 23 de janeiro, terça-feira, a entidade promove o V Workshop para Jornalistas: Trabalho e Direitos Humanos, das 19h às 21h, em sua sede, no Centro do Rio. O encontro é gratuito e será oportunidade para discutir o conceito de “trabalho decente”, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), questões emergentes no contexto pós reforma trabalhista e os avanços e desafios no combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil. Os magistrados também apresentarão o Prêmio Anamatra de Direitos Humanos, que acontece no fim do ano e tem uma categoria dedicada à imprensa.  O credenciamento para o workshop deve ser feito pelo e-mail [email protected].

“A Amatra1 reconhece e valoriza o papel da imprensa na promoção de direitos e na construção de uma sociedade mais justa. Nossos workshops para jornalistas têm a intenção de abrir diálogo  sobre temas fundamentais à sociedade e fomentar debates necessários em relação à Justiça do Trabalho”, convida o presidente da Amatra1, o magistrado Ronaldo Callado. Em encontros anteriores, magistrados do trabalho e jornalistas já discutiram o papel da imprensa na defesa de direitos, a reforma trabalhista, as formas contemporâneas de trabalho escravo e assédio no trabalho. Sugestões de temas para próximos workshops podem ser encaminhadas para [email protected].

Trabalho decente para adolescentes e jovens

Garantir que adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade se integrem à sociedade e ao sistema produtivo pelas vias da cidadania e do trabalho decente. Com esta proposta, o projeto “Criando juízo – uma rede de apoio à cidadania por meio da aprendizagem”, fruto de parceria da Amatra1 com mais seis instituições, vem encurtando as distâncias entre empresas e adolescentes e jovens em cumprimento de medida socioeducativa (infratores) ou em acolhimento institucional (que aguardam adoção), de forma a auxiliá-los no importante primeiro passo rumo à inserção no mercado de trabalho. Inédita no país, a iniciativa foi contemplada com menção honrosa no 14º Prêmio Innovare, no ano passado. O principal resultado é a Central de Aprendizagem e Profissionalização, um banco de dados que auxilia as empresas que devem cumprir a cota de aprendizagem imposta por lei a identificar e contratar, na condição de aprendizes, adolescentes e jovens que estão em cumprimento de medidas socioeducativas de internação, semiliberdade ou liberdade assistida ou em situação de acolhimento institucional. Mais de 500 candidatos à aprendizagem já estão cadastrados na plataforma, à disposição das empresas.

Trabalho escravo contemporâneo

Descrito no artigo 149 do Código Penal, o trabalho análogo à escravidão é um crime que está mais próximo do que se imagina. A sua tipificação, prevenção e combate, no entanto, ainda enfrentam desafios importantes. No Brasil, um deles são as barreiras sistematicamente impostas à divulgação da Lista de Transparência sobre Trabalho Escravo Contemporâneo, conhecida como Lista Suja, que reúne o nome das empresas condenadas por esta prática. Para a Amatra1, a divulgação permanente do instrumento é imprescindível para conscientizar e alertar a sociedade sobre as práticas de empresas criminosas. O crime pode ser configurado pelo cerceamento da liberdade de ir e vir, mas não está restrito a essa prática. Também podem ser tipificados casos de jornada exaustiva ou de condições degradantes de trabalho. Outras práticas comuns são a retenção de documentos, a servidão por dívida e o impedimento de uso de meios de transporte para ir e vir.

Prêmio Anamatra de Direitos Humanos

A iniciativa da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) reconhece ações desenvolvidas em todo o Brasil que promovam os direitos humanos no mundo do trabalho. Na categoria Imprensa, já foram premiadas as reportagens “Escravos da moda”, da Revista Galileu; “As eternas escravas” e “A rota da castanha: exploração sem limite”, da TV Record; “Quarto dos fundos”, da TV Brasil; “À beira da morte”, da Revista do Ministério Público do Trabalho de Recife; dentre outras. Em 2018, a cerimônia do Prêmio Anamatra de Direitos Humanos será em setembro, no Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio. O regulamento será divulgado em breve.

SERVIÇO

V Workshop para Jornalistas: Trabalho e Direitos Humanos

Data: 23 de janeiro, terça-feira, das 19h às 21h

Local: Sede da Amatra1 (Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região)

Endereço: Av. Presidente Wilson, 228, 7º andar, Centro

Da redação Matheus Corrêa com informações ABI