Vacinação contra aftosa começa nas regiões do Planalto e Pantanal

vacinacao
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Vacinação contra aftosa começa nas regiões do Planalto e Pantanal

vacinacaoCaroline Maldonado*

Com calendário diferente para cada região do Estado, a vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa deve imunizar cerca de 18,6 milhões de animais somente em maio, segundo a Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul).

No Planalto, a vacinação começa hoje (2) e vai até o dia 1º de junho. No Pantanal, para os optantes da etapa maio, o período também inicia-se nesta segunda-feira e vai até o dia 16 de junho. Na região da Fronteira, os criadores começaram com a vacinação no dia 1º de abril e o prazo termina em 15 de maio.

As datas diferentes foram determinadas pela Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), com base em estudos epidemiológicos das diferentes regiões produtoras. A mudança na vacinação da aftosa para todo o rebanho do planalto, de novembro para maio, ocorreu em 2012. A alteração atendeu demanda dos produtores, por ser este o período mais adequado para reunir e vacinar o rebanho das propriedades, conforme o médico veterinário da Famasul, Horácio Tinoco.

“Maio é o período em que os produtores tradicionalmente aproveitam para realizar manejos sanitários, desmama, vermifugação, diagnóstico de gestação, entre outros procedimentos rotineiros e para isso já reúnem o rebanho no curral, sendo portanto a hora certa para realizar a vacinação contra aftosa”, explica o veterinário.

Área Livre – Desde 2008, o Planalto e o Pantanal possuem status de área livre de febre aftosa com vacinação, de acordo com a OIE (Organização Internacional de Saúde Animal). Em 2011, a região de fronteira também obteve esta condição.

O reconhecimento do status é resultado do trabalho realizado pelos produtores e trabalhadores rurais e técnicos do setor , com a orientação da Iagro e do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). A classificação da OIE abre portas para o mercado internacional, conforme os especialistas do setor.