Venezuela liberta jornalistas detidos em penitenciária

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Os jornalistas Roberto Di Matteo, Filippo Rossi e Jesús Medina, foram presos na última sexta-feira (6) após entrarem com suas equipes de gravação na penitenciária de Tocorón, no norte do Estado de Aragua, na Venezuela. Os jornalistas ficaram dois dias detidos e foram libertados neste domingo (8), após decisão da Justiça do país. Di Matteo é italiano, Rossi é suíço e Medina é venezuelano.

Segundo a AFP, os três jornalistas “estavam na prisão de Tocorón (…) produzindo uma investigação jornalística quando foram detidos”, indicou o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP).

As organizações de imprensa não indicaram em quais veículos os jornalistas estrangeiros trabalham. Medina, no entanto, é fotojornalista do portal “DolarToday”, opositor ao governo de Nicolás Maduro. Porta-vozes do sindicato disseram à AFP que os jornalistas “estão bem, sem indicações de maus-tratos”.

“Eles receberam um convite para entrar em Tocorón. Estavam se registrando quando tiveram o acesso negado e receberam a ordem de detenção. Ao que parece, houve uma contraordem para impedir sua entrada”, afirmou o sindicato. Pelo Twitter, a deputada Maria Hernández divulgou uma imagem dos jornalistas algemados acompanhados de dois militares. Eles tiveram telefones celulares e câmeras confiscadas.

Organizações não governamentais denunciaram a superlotação e desnutrição em centros de detenção venezuelanos. A ONG Una Ventana a La Libertad estimou em 2016 que as prisões venezuelanas abrigavam mais de 88 mil presos, quando sua capacidade é de 35 mil.

Legenda: Os jornalistas Roberto Di Matteo, Filippo Rossi e Jesús Medina