Workshop para Jornalistas sobre Reforma Trabalhista

oficina
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Workshop para Jornalistas sobre Reforma Trabalhista

Trabalhar sem saber quando haverá expediente ou qual será a remuneração ao fim do mês; prestar serviços de forma autônoma, porém com exclusividade e sem vínculo empregatício; autorizar a permanência de grávidas e lactantes em locais insalubres. Esses são apenas alguns aspectos da Reforma Trabalhista, proposta pelo Projeto de Lei 6.787/2016, que impactarão diretamente a vida do trabalhador e vêm recebendo pouca atenção da mídia e da sociedade.

Não é fácil acompanhar todos os pontos críticos da grande Reforma Trabalhista que tramita no Congresso. O Projeto de Lei 6.787/2016, que poderá alterar mais de 100 artigos da CLT, é modificado frequentemente por sugestão de parlamentares. Para assegurar a efetiva participação da sociedade neste processo que impactará a vida e o trabalho de todos, a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região (Amatra1) promove um workshop exclusivo para jornalistas, para elucidar dúvidas sobre a Reforma Trabalhista que tramita no Congresso. O evento será realizado dia 29 de maio, segunda-feira, de 19h às 21h, na sede da entidade, no Centro. O credenciamento deve ser feito pelo e-mail pautas.inmedia@gmail.com.

“As relações de trabalho são marcadas por inegável dinamicidade. Elas são impactadas pela tecnologia, pelo surgimento de novas atividades e até pelo encerramento de outras. Com o tempo, a complexidade cresce e exige alterações normativas, essenciais para acompanhar o mundo do trabalho. No entanto, a Reforma Trabalhista, da forma como vem sendo posta, é desastrosa”, afirma a juíza do trabalho Cléa Couto, presidente da Amatra1.

Conheça alguns pontos da Reforma Trabalhista que permanecem pouco mencionados:

  1. Trabalho intermitente

Atualmente a maioria dos contratados é mensalista e isso garante uma expectativa mínima de quanto se receberá ao fim do mês. As propostas de redação dos artigos 443, caput e § 3º, e 452-A criam a modalidade de contrato que permite a convocação do empregado para trabalho em jornada e horário a serem determinados pelo empregador em momento próximo. Ou seja, caso o empregado seja chamado a trabalhar, ele receberá apenas o salário das horas efetivamente trabalhadas e nada ganha pelo período em que aguarda. Esta chamada para trabalhar será efetuada com três dias de antecedência, mas se o empregado faltar, terá que pagar ao empregador 50% do salário que iria receber. O texto pretendido para o inciso VIII do artigo 611-A permite que as regras venham apenas da negociação coletiva. Apesar de precisar estar numa espécie de prontidão, sob o risco de perder o trabalho, se o telefone não tocar, o empregado não trabalhará e nada receberá.

  1. Trabalho autônomo exclusivo

Por definição, o trabalhador autônomo é o que conduz sua atividade por conta e risco próprio, de forma independente e sem subordinação. É natural, portanto, que atue de forma ocasional, fortuita, esporádica e para diversos tomadores. A Reforma Trabalhista cria o artigo 442-B da CLT, definindo sem maiores critérios a figura do trabalhador autônomo exclusivo e contínuo – e que não pode ser considerado empregado. A iniciativa representa um convite à fraude ao vínculo de emprego.

  1. Fim da estabilidade econômica decenal

Desde 2005, o entendimento do TST é que, mesmo se o empregador mudar a função de um empregado comissionado, o valor de sua gratificação de função não pode ser suprimido caso o profissional já a receba há mais de 10 anos. Prestigia-se, assim, a estabilidade financeira, impendindo-se rupturas remuneratórias há muito tempo integradas à vida das famílias. A proposta de redação do artigo 468, § 2º, entretanto, permite a perda da gratificação caso haja a alteração da função deste empregado.

  1. Fim da jornada in itinere

Atualmente, o tempo de deslocamento deve entrar na jornada laboral sempre que o local de trabalho estiver situado em área de difícil acesso ou onde não haja transporte público. Este dispositivo costuma atender às necessidades de trabalhadores rurais e daqueles locados na agroindústria. De acordo com o novo texto dos artigos 4º, § 2º, e 58, § 2º, da CLT, essa contagem será excluída. O empregado passa a ser obrigado a suportar o ônus de seu empregador direcionar o trabalho para locais distantes e fora de área urbana.

  1. Acordos sobre insalubridade

Hoje, a Constituição Federal determina, em diversos dispositivos, a responsabilidade do empregador garantir condições de trabalho progressivamente mais saudáveis e seguras. No entanto, o projeto da Reforma Trabalhista, nos artigos 611-A, XIII e XIV, permite que acordos individuais definam o grau de insalubridade no ambiente de trabalho, em vez de exigir a atuação de profissionais especializados. Também facilita a prorrogação da jornada nesses ambientes, dispensando a análise de autoridade competente.

  1. Lactantes e gestantes em locais insalubres

Desde maio de 2016, uma mudança na CLT garantiu o afastamento de empregadas gestantes ou lactantes de atividades ou locais insalubres. A nova proposta, entretanto, regride neste ponto. O art. 394-A afirma que basta a obtenção de um atestado médico para que a permanência seja autorizada.

SERVIÇO

Workshop para Jornalistas: Reforma Trabalhista
Segunda-feira, 29 de maio, de 19h às 21h
Na sede da Amatra1 (Rua Presidente Wilson, 228, Centro)
Credenciamento: pautas.inmedia@gmail.com

CONTATO

In Media Comunicação Integrada

Renata Leite – 21 98143-6609

Bel Levy – 21 97240 4488

pautas.inmedia@gmail.com